Translate

quinta-feira, 31 de março de 2016

Governos indefensáveis

Muita gente que vem se manifestando contra o impeachment coloca logo a ressalva: "o governo Dilma é indefensável, mas..."

Indefensável por quê? Ela é honesta, não comete crime de responsabilidade, toca programas sociais de inclusão, presta contas etc, sem falar que foi reeleita num pleito limpo.
Indefensável, meus amigos, era o governo do Costa e Silva, que institucionalizou a repressão com o AI-5; o do Collor, com aquela roubalheira generalizada; o do Sarney, da inflação a 80% ao mês. Indefensável era o governo Médici, que torturava e matava. Indefensável era o governo do Geisel, onde se entregou aos estrangeiros boa parte do país. Indefensável era o governo Figueiredo, que deixou o nordestino passar fome impiedosamente. Sem falar nos do FHC, que vendeu as estatais mais importantes a preço de banana e comprou a aprovação da reeleição.


O governo Dilma é defensável sim. E eu estarei na rua hoje para isso.


terça-feira, 29 de março de 2016

Elas por elas

Luciana Genro está contra Dilma. Diz que nada ameaça a ordem institucional. Empresta sua aura de esquerda ao golpismo. Vai ser a primeira a se ferrar num eventual governo PSDB-PMDB. E ela sabe disso. O negócio dela é ser sempre a voz dissonante. É neste governo de esquerda e será no de direita.

Na verdade, Luciana encarna a liderança das mulheres machistas. Deveria estar com Dilma nem que fosse só por ser mulher como ela.

É bom lembrar que os homens só começaram a ofender moralmente a presidente (no estádio, inclusive) depois que viram as mulheres vomitarem contra ela os piores impropérios. Foram essas mulheres as primeiras a chamar Dilma de vaca e de outros nomes piores. Pareceu mais recalque, dor de cotovelo, tudo menos política.

Lamento muito essa atitude de parte das mulheres porque elas sabem muito bem o quanto é difícil sobreviver num universo dominado pelo macho, como é a política. A mulher é diferente, pensa diferente, enxerga diferente, tem outro tempo de ação. Mas nenhuma das muitas que se colocaram de pronto contra a presidente pareceu se lembrar disso. Não se trata de feminismo mas de se colocar no lugar da outra. E nem é preciso ser apoiar seu governo, bastaria não compactuar com essa campanha para afastar do cargo uma pessoa sob a qual não pesa nenhuma acusação de crime de responsabilidade ou improbidade.

Ainda mais na política, cheia de ratos experientes. Dilma foi engolida, como, aliás, tantas outras governantes pelo mundo foram. Algumas, como Margareth Thatcher, só se deram bem porque foram mais cruéis que os homens quando se tratou de exclusão.

Por isso eu acho que se primeira mulher a presidir o Brasil cair dessa forma, vai doer mais nelas do que em nós.

Foto: Marcelo Migliaccio

segunda-feira, 28 de março de 2016

Na trilha de Lampião


Não vejo agência de viagem nenhuma promover o turismo em Sergipe. Nos cartazes pendurados nas vitrines, incensam Porto de Galinhas, Jericoacoara, Caribe, Punta del Este... talvez por isso consegui passagens a R$ 160 para a pouquíssimo badalada Aracaju. Chegando lá, uma supressa. Atalaia, a Ipanema deles, parece a orla de Arraial do Cabo. Poucos prédios, muitas casas, bem diferente de Boa Viagem, no Recife, onde os tubarões imobiliários tomaram conta das calçadas.

Foto: Marcelo Migliaccio

A principal praia da capital sergipana é uma beleza, imensa...

Foto: Marcelo Migliaccio

Pena que a educação dos frequentadores não esteja à altura, ainda mais numa época de greve dos garis locais. Eis o quadro numa manhã de segunda-feira.

Foto: Marcelo Migliaccio

Quem aproveita a sujeira são os gaviões.

Foto: Marcelo Migliaccio

Mas o que a gente queria mesmo era conhecer o sertão nordestino. Então foram quatro horas de viagem rumo ao interior. Na paisagem, enquanto o agreste se transformava em caatinga, muitas cabras e bodes, animais fortes o bastante para viver por aqui. Dizem que comem até pedra e areia.

Foto: Marcelo Migliaccio

E jumentos, claro, uma tradição. Às vezes, se estranhando na beira da estrada.

Foto: Marcelo Migliaccio

Um lixão assustador a caminho da terra onde reinou Lampião. Aqui gaviões, urubus e, infelizmente, pessoas sobrevivem das sobras da festa nacional do consumo.

Foto: Marcelo Migliaccio

Miséria e beleza misturadas, assim é o sertão, onde o Brasil é mais Brasil. Onde o Brasil é Brasil de verdade.

Foto: Marcelo Migliaccio

O sol nasce para todos, para o bem e para o mal.



Emoção e reverência são os sentimentos ao chegar ao lendário Rio São Francisco.

Foto: Marcelo Migliaccio

Com suas pequenas praias e sua água límpida que paradoxalmente banha o semi-árido nordestino.

Foto: Marcelo Migliaccio

No lago artificial criado pela Usina Hidrelétrica de Xingó, canions viraram atração turística.



Foto: Marcelo Migliaccio


 Construções históricas estão por toda parte.

Foto: Marcelo Migliaccio

Principalmente na simpática cidade de Piranhas, onde a escadaria para a pequena igreja perdem para as da Penha por apenas cinco degraus.


Foto: Marcelo Migliaccio

Uma mistura de Paraty sem praia com Visconde de Mauá sem Mata Atlântica... essa é Piranhas.

Foto: Marcelo Migliaccio

E, enfim, entramos a pé na caatinha, uma floresta quentíssima, meio acinzentada. Com suas mais de 800 espécies plantas e que exala a história do povo nordestino.


Casas com paredes de barro, tão simples que nem dá pra acreditar, algumas conservadas desde o tempo do cangaço.

Foto: Marcelo Migliaccio

Aqui, a 800 metros do rio caatinga a dentro, Lampião e parte de seu bando foram mortos por uma patrulha da volante em 1938. Sempre há um traidor na história.

Foto: Marcelo Migliaccio

Seculares habitantes do maravilhoso ecossistema observam os forasteiros com olhares de poucos amigos. Parece que as escaramuças dos tempos dos cangaceiros ainda estão no ar.


Foto: Marcelo Migliaccio

Hora de voltar para o litoral. A fauna e a flora vão mudando novamente. A lei da natureza, no entanto, é irrevogável.

Foto: Marcelo Migliaccio

Mais e mais provas da força do nordestino.


Foto: Marcelo Migliaccio

No acampamento dos Sem Terra, certamente ninguém apoia o golpe contra Dilma Rousseff. 

Foto: Marcelo Migliaccio

É hora de rezar pelo Brasil.

Foto: Marcelo Migliaccio



segunda-feira, 14 de março de 2016

Acho que ferrou

O golpe está dado. Dilma sairá em alguns dias, talvez semanas. Fizemos o possível. A esquerda não fará atos como os de ontem. Só uma multidão nas ruas no dia 18 reverteria o quadro. Os parlamentares golpistas e os cegos da Justiça ganharam moral.

E não devemos nos animar por Aécio e Alckimin terem sido postos para correr pelos coxinhas. Isso pode ser um recado de que eles preferem os militares. De mais a mais, passeata que apóia Moro não pode ser visita com otimismo sob prisma nenhum.

Tem muita gente lavando as mãos em cima do muro e isso nos custará 54 milhões de votos, jogados no lixo.

A democracia será abalada, todo mundo agora vai se sentir no direito de tirar presidente na marra, a esquerda inclusive.


A verdade é que Lula escolheu mal. Dilma não se comunica, não compõe, não aglutina. Ela teria que tirar um coelho da cartola, mas acho que nem cartola ela tem. Parece estar prostrada em seu gabinete aguardando a ordem de despejo.

Esquerda que não compõe com os tubarões dança. O governo tem que estar sempre molhando o bico deles, senão eles derrubam. E aí ficam sozinhos, mandando através de seus prepostos, como aliás aconteceu de 1500 a 2002.

Na fase seguinte, o povo, de tanto levar na cabeça, elege a esquerda de novo.

O ciclo recomeça e se a esquerda não compõe com os donos do pedaço...

Não adianta governar só para os pobres. Pobre não apita nada, não protesta, acha que nasceu pra se ferrar mesmo. Só quer saber de novela, cerveja e Cheetos, ou então de culto evangélico. Se bobear, ainda ajuda a derrubar o governo que mais o ajudou.



Foto: Marcelo Migliaccio

sábado, 12 de março de 2016

Assim caminha a desumanidade

O ônibus lotado de adolescentes da escola pública Estácio de Sá pára no ponto em frente ao Instituto Benjamim Constant, na Urca. Entram várias crianças cegas com seus responsáveis e também alguns adultos, igualmente deficientes visuais. Nenhum, nem um dos adolescentes se levanta para ceder o lugar. Continuam como se nada tivesse acontecido, os garotos com seus fones de ouvido falando aos berros e as garotas com suas unhas enormes pintadas de vermelho.

Meio pedindo, meio mandando, faço alguns maganões se levantarem, lentamente e muito a contragosto. 

sexta-feira, 11 de março de 2016

Prensa na imprensa

Alguns jornalistas assustados vêm reclamando que o PT "criou uma bandeira de ódio contra a imprensa". Segundo eles, o partido tem estimulado agressões a jornalistas. A primeira pergunta a ser feita é se foi o PT quem incentivou manifestantes a virarem os carros do jornal O Globo quando o presidente Getúlio Vargas, envolvido num mar de lama nas manchetes, deu um tiro no próprio peito. Não, o Partido dos Trabalhadores sequer existia em 1954.

De lá para cá, a conduta dos empresários que dominam a comunicação de massa no Brasil pouco ou nada mudou. Apoiaram o golpe militar de 1964, encobriram a corrupção e o entreguismo durante a ditadura a troco de facilidades para ampliarem seus impérios, criaram nacionalmente uma imagem falsa de Fernando Collor para torná-lo o primeiro presidente civil, nos empurraram Tancredo/Sarney em seguida e transformaram os governos do PSDB em autênticos contos de fadas.

Quando o PT chegou ao poder, em 2002, os grandes jornais, revistas e emissoras de TV e rádio mudaram radicalmente de conduta, passando do adesismo sustentatório a uma oposição ferrenha e combativa. É fato que já perseguiam o partido desde sua fundação. Quando surgiu como líder sindical no ABC paulista, Lula passou oito anos sem aparecer no principal telejornal do país. Discricionário, o jornalismo praticado pela emissora líder de audiência e pelas que a copiam também assassinou em vida brasileiros ilustres como Darcy Ribeiro, Paulo Freire, Jango, Juscelino e Leonel Brizola, que teve mais espaço no noticiário no dia de sua morte do que nos 40 anos anteriores, período em que governou o Rio por duas vezes, enfrentando oposição ferrenha, diga-se.

As pessoas estão vendo. Muita gente, graças a Deus, não tem cérebro de minhoca. E se revolta. A imprensa chama todo mundo que apóia o atual governo, eleito democraticamente, de "militante do PT. Bolas, são brasileiros. Alguns se filiaram a um partido outros a centrais sindicais. Mas, antes disso, são brasileiros. Estigmatizá-los, só reforça a atmosfera belicosa em que vivemos.

Hoje, felizmente, muita gente é capaz de analisar criticamente a informação que recebe. A credibilidade desse noticiário enviesado e míope foi se diluindo com o passar dos anos. Basta dizer que o PT venceu as últimas quatro eleições diretas apesar de todo o catastrofismo das manchetes, das pragas dos colunistas de aluguel, das capas de revistas caluniosas em vésperas de votação.

Alguns desses jornalistas assustados juram que toda a classe sempre apoiou o PT e que está decepcionada porque o partido, quando chegou ao poder, repetiu velhas práticas condenadas por ele mesmo. Pode ser. Onde tem dinheiro, tem ladrão. Há corruptos nos EUA, na China, no Japão e até no Vaticano. Digo que o PT fez diferente sim, porque foi o primeiro a cortar na própria carne e o único que distribuiu a riqueza nacional de verdade, tirando o país do mapa da fome e dando chance aos pobres de chegar à faculdade. Claro, ainda falta muita coisa, estamos pagando a conta de séculos de desmandos, exclusão, enfim... do que fez a oligarquia que mandou no Brasil de 1500 a 2002.

O povão nunca esquece de quem lhe fez bem. A popularidade de Lula e seu favoritismo para o pleito de 2018 mostram isso. De nada adianta a imprensa insuflar manifestações como a deste domingo. Mais uma vez, o trabalhador, o sem terra, o sem teto não estarão presentes. Será mais um carnaval fora de época em que a classe média devoradora de novela _ e que teve como professoras Xuxa e Marlene Mattos _ ocupará as áreas de lazer das capitais para praguejar raivosamente contra o PT. Envenenaram tanto o cérebro do Hommer Simpson no noticiário que sua massa cinzenta virou mandiopã. Agora ele é um cão que baba de ódio ao ver uma camisa vermelha.

O radicalismo está instaurado. Os próprios criadores do monstro estão com medo. Não cabem agora queixas chorosas de menino brigão tipo: "Mãe, foi ele que começou".

Como dizem por aí, o povo não é bobo e acabou percebendo o jogo da grande imprensa. Querem cassar mais de 54 milhões de votos de maneira calhorda, na base do grito, do rolo-compressor, da manchete condenatória, do apoio editorial a métodos arbitrários do Ministério Público, da oposição no Parlamento e da Polícia Federal nas ruas. Se há condenáveis reações violentas contra jornalistas, a terceira Lei de Newton explica.

Lamento que colegas meus estejam dando munição aos golpistas, porque é muito cômodo para quem está com vergonha de apoiar abertamente um lado apontar defeitos no outro.


Revolta popular contra a imprensa após a morte de Getúlio, em 1954. O PT nem existia na época, senão o culpariam.




terça-feira, 8 de março de 2016

Diário do golpe diário

Os golpistas não vão desistir. Se o que estão tentando hoje não der certo, amanhã será outra coisa. Seus papagaios amestrados já falam abertamente em "intervenção militar" nos jornais. Estão prestes a afastar Dilma na marra e matarão Lula se preciso for para que ele não volte à Presidência.
 
Só o povo na rua evitaria o retrocesso. Povo mesmo, não essa minoria politizada.

O problema é que a cabeça de grande parte do povo jaz na mão da televisão. Quatro décadas de imbecilização em massa fizeram do brasileiro médio um indigente mental que só pensa em sexo, cerveja e celular. Dê-lhe também uma sandália Havaiana e um pacote de Cheetos e a maioria achará que todos os seus anseios foram atendidos. Escola? Quem saber de estudar se uma novela lhes dá um curso completo de como (não) viver? Se Donald Trump fosse candidato no Brasil estaria eleito. Só que aqui, em vez de terroristas, o magnata americano torturaria os bandidos das favelas. E quem quiser saber o que nos espera perca 20 minutos do seu dia observando a garotada de 9 a 14 anos na saída de uma escola pública em qualquer lugar do país.

Domingo, quem não é a favor dessa cafajestada política que estão fazendo com a presidente não deve nem passar perto das aglomerações pró-impeachment. Nada de fazer cabecinha na multidão para o helicóptero deles filmar. O Rio tem muitas áreas de lazer, o zoológico estará reaberto, tem o Aterro, enfim, algum lugar longe dos teleguiados de verde e amarelo. Longe do Luciano Huck, do Faustão, do Alexandre Frota, do Bolsonaro, do Jabor, do Pauderlino, Pauderlei, sei lá. Deixemos Ipanema e Copacabana só pra eles. Em São Paulo, fujamos do Pato sinistro da Fiesp.


PS: Ontem, o bispo Edir Macedo convocava no rádio todos os adeptos da Igreja Universal para o "Dia da Justiça", coincidentemente no próximo domingo. Segundo ele, será o momento de cobrar de Deus a Justiça divina. Só faltou pedir o traje verde e amarelo.

Acho que Anita Garibaldi estaria com Dilma.

Anita viveu 28 anos e participou de várias batalhas armadas defendendo a República

segunda-feira, 7 de março de 2016

Peraí!

Que papo furado é esse de ódio de ambos os lados, de Fla-Flu ideológico, de Petralhas x Tucanalhas etc? Isso tudo é só mais uma forma dos que se aboletaram em cima do muro não se posicionarem diante dessa sacanagem sem precedentes que está acontecendo no Brasil.

Nossa candidata venceu limpamente a eleição e não a deixam governar com essa conspiração diária. Não nos igualem aos golpistas! Estamos defendendo nosso voto com unhas e dentes como é próprio de todo aquele que não tem sangue de barata.

Querem tergiversar? Dizer que o Lula não é santo? Querem ressuscitar ex-petistas ressentidos que perderam o bonde da História? Querem acusar o PT de não ser mais "puro"? Enfim, querem arranjar argumentos para não defender publicamente quem está sendo solapado pela Justiça ditatorial, pela imprensa manipuladora, pela oposição calhorda intocável? Querem ficar bem com seus patrões? Tudo bem.

Só não nos coloquem no mesmo saco que esses golpistas que não respeitam a democracia.

quinta-feira, 3 de março de 2016

E la nave va...

Da pedalada ao pedalinho, está valendo tudo para derrubar Dilma Rousseff.

Mas é preciso parar de culpar só os barões da mídia por esse noticiário flagrantemente direcionado contra o governo e que contraria todos os postulados do bom jornalismo, da isenção à precisão, passando por cima também do sagrado direito ao contraditório e da presunção de inocência. O importante hoje na imprensa brasileira é achincalhar, jogar lama, levantar suspeitas e condenar pelos jornais. Se é verdade ou mentira, pouco importa, o que interessa é desgastar a corrente política que venceu limpamente as quatro últimas eleições diretas para a Presidência da República. 

Quem bota a mão na massa pra fazer o trabalho sujo no dia-a-dia é jornalista classe média, cúmplice da sacanagem. Alguns alegam que esse pessoal está defendendo o leite das crianças? Ok, mas tudo tem um limite. O noticiário extrapolou todos os limites do aceitável. Tá escroto demais. Algum jornalista que ainda tenha brios, a quem reste um pingo de dignidade, precisa que tomar coragem e dizer para o chefe na reunião de pauta:

_ Peraí, essa armação aí não dá, vamos tentar outra coisa... vai pegar mal, é ridículo!

Ajudaria também a limpar a barra dos jornalistas perante a sociedade se os sindicatos da categoria repudiassem publicamente essa manipulação vergonhosa do noticiário. Mas correntes políticas que às vezes disputam espaço com a que está no governo também dominam os sindicatos. Então, o que podemos esperar?

Falta pouco para vermos no jornal o seguinte "flagrante":

Exclusivo! Lula e família fogem do Brasil por via marítima!

Foto: Marcelo Migliaccio

terça-feira, 1 de março de 2016

Vão acabar transformando Lula num mártir

Alguma cabeça pensante do Judiciário, da confraria que controla a imprensa ou mesmo do DEM ou do PSDB poderia avisar seus pares de que a derrubada da presidente da República está sendo feita da pior maneira possível. Essa perseguição sem trégua aos políticos do PT e aliados está dando muito na vista. Tudo bem que é um jogo de cartas marcadas mas não deveria parecer.

Não fica bem a Polícia Federal só ter olhos para Lula, para o triplex que não é do Lula, para a obra do sítio em que Lula pesca, para a caixa de cerveja que o Lula bebe. Não dá pra engolir o TSE questionando as doações para a campanha de Dilma e deixando em paz os doadores de Aécio e Marina, igualmente implicados na Operação Lava Jato.

Poderiam dar uma ou outra manchete para os escândalos tucanos, por exemplo...

Poderiam mandar derrubar alguma mansão construída em área de preservação ambiental, quem sabe? Não, isso não fariam...

Mas, sabe, fica parecendo perseguição.

A turma da direita deveria escolher uma meia dúzia de corruptos entre seus pares e pôr na cadeia. Podem ser os mais chatos, o critério de escolha pouco importa. Só para dar a impressão de que está sendo feita uma faxina ética no país sem intocáveis, sem protegidos, sem vista grossa. Não dá pra embarcar num movimento moralizador que só coloca petista em cana, a não ser que você seja mal intencionado ou retardado. Peraí, mas cadê os outros ladrões! Tudo bem, não falo nem do Eduardo Cunha, que pode levar meio mundo junto se resolver abrir a boca, mas um outro peixe grande da oposição poderia muito bem ser atirado aos tubarões. Seria um sacrifício em nome de uma causa, diriam a ele...

Do jeito que está sendo dado esse golpe, o povão reluta em aderir. Mesmo com a inflação alta, tem-se aquela sensação, lá no fundo da alma, de que estão armando de novo. Como armaram elegendo Tancredo-Sarney, depois Collor... e tantas outras vezes, Plano Cruzado, congelamento de preços... "tem que dar certo", lembra?

Assim, os golpistas vão acabar dando um tiro no pé. Se for preso, Lula pode até não se candidatar em 2018 mas vai sair como mártir logo depois. Ficará como o perseguido pelas elites. O PT _ a despeito de seus erros e acertos _  vai acabar como vítima dos tubarões que mandaram no Brasil de 1500 até 2002. E, se resistir à saraivada golpista e chegar à TV, o metalúrgico engolirá todo mundo mais uma vez. É esse o motivo que faz os grandes jornais atingirem as raias do ridículo: medo do pentacampeonato do PT nas urnas em 2018.

A derrubada de um presidente, seja qual for o motivo alegado, precisa ter um mínimo de lisura, de imparcialidade. Não dá pra ser um choro ressentido de quem foi derrotado nas urnas quatro vezes seguidas.

Se bem que golpista não está nem aí para a decência. E pode ser esse o caminho da sua ruína.


Foto: Marcelo Migliaccio