Translate

sexta-feira, 31 de julho de 2015

Até que enfim é sexta-feira...

Quando você descobre que já é Sexta-Feira!♫

Posted by Cifras on Quinta, 23 de abril de 2015

quarta-feira, 29 de julho de 2015

Diário do álcool

O álcool pode ser muito bom quando bem usado mas é uma droga tão pesada quanto a cocaína.

Em Roraima, uma menina de 13 anos foi encontrada desacordada numa estrada. Tinha sido estuprada por três outros adolescentes depois de, juntos, terem consumido muita bebida. Em sua defesa, os acusados dizem que a menina, bêbada, começou a insinuar-se para eles.

No interior de São Paulo, um garoto, também de 13 anos, entrou em coma alcoólico depois de ingerir quatro copos cheios de vodca e mais um de uísque, além de quantidade não informada de energético. Ele estava com um amigo numa festa com bebida liberada e presença de dezenas de adolescentes. De vinte em vinte minutos, todas as luzes da festa eram apagadas e os participantes podiam "fazer o que quisessem". Ainda no hospital, o garoto disse que nunca mais beberia, porém logo depois já começou a relativizar:"Acho que foi porque eu só tinha almoçado naquele dia".

A menina, que saíra com mais oito adolescentes para beber cachaça, também falou que a partir de agora será abstêmia. Aos 13 anos, inicia sua luta contra o álcool.

Apesar dos níveis alarmantes de consumo por menores, segue a orgia de propaganda de bebida alcoólica na televisão, a qualquer hora do dia.

Quando esse crime será interrompido?

segunda-feira, 27 de julho de 2015

O ídolo, pessoalmente

Nunca li nenhum livro do Monteiro Lobato, não que eu me lembre. A série da TV, também não vi, preferia o Batman do Adam West. Portanto, o lendário Sítio do Picapau Amarelo não faz parte das minhas referências. Mas o desenho do Pica-pau, vi muito. Aquele condor malandro (ou seria um urubu?) sempre levava a pior... dizem que o Picapau foi até proibido em alguns países por não ser, digamos, um bom exemplo para as crianças. Agora, que aquele sacana era bonitinho, isso era. 

O que eu nunca tinha visto mesmo é um Pica-pau de verdade. Uma vez, até ouvi o barulhinho compassado das bicadas numa árvore próxima à minha casa, mas as folhas encobriam seu autor.

Ontem, porém, em mais um domingo curtindo as maravilhas da Baixada Fluminense, a sorte bateu na lente da minha máquina. Um genuíno Picapau do Campo bem diante de mim.


Foto: Marcelo Migliaccio


Lá estava ele, fazendo um buraco num poste de madeira à beira da estrada. Lindo, corpo rajado e topete vermelho, este uma característica dos machos na espécie. Sensação semelhante só quando eu vi pela primeira vez um João de Barro na porta de sua casa. Mas o Pica-pau dá de dez em matéria de beleza. E que poder têm essas garras para sustentá-lo durante a dura jornada de trabalho... 

Foto: Marcelo Migliaccio


Seu bico, então, é de uma potência invejável. Uma pequena britadeira natural capaz de feitos admiráveis. Uma olhadinha lá dentro pra ver se está tudo nos conformes...

Foto: Marcelo Migliaccio

Pronto, "lar, doce lar", e que venha a conta do IPTU...

  video

segunda-feira, 20 de julho de 2015

Biografia não autorizada.

Quem é você para escrever sobre mim se eu mesmo nem sei direito quem sou?

E se você tão pouco sabe quem é você, como tem a pretensão de dizer quem eu sou?

Como quer contar coisas que eu há muito tempo deixei de lembrar para que os pesadelos parassem de me atormentar?

E você nem sequer estava lá...

Coisas que eu fiz questão de esquecer, outros vão certamente contar por mim. Talvez alguém que também nem estava lá, mas que vai inventar alguma coisa só para aparecer. E os que estavam lá não estavam dentro de mim para conhecer qualquer razão ou desatino.

E, por seu intermédio, alguém que está ainda mais longe vai me julgar como se tivesse esse direito. Não, minha história não é uma estória.

Não venha querer fotografar minha alma como se eu fosse uma estátua de praça qualquer. E depois pregar um selo qualquer embaixo do meu nome para me colocar numa prateleira medonha. Fascista, comunista, santo, sacana, honesto, ladrão, sábio, burro... qual será meu rótulo no fim das contas se eu posso ser tudo isso e muito mais.

Isso sim é ser obscurantista: querer transformar um ser humano numa estátua.

Minha vida não é para principiantes.


Foto: Marcelo Migliaccio





sexta-feira, 17 de julho de 2015

Isso é que é!

A primeira droga que eu experimentei me acompanha até hoje num caso de amor irremediável. Revendo esse comercial, eu voltei aos meus 10 anos, quando já viajava no sabor e nas bolhinhas da Coca-Cola. Eu era feliz e sabia. Coca-Cola, a única multinacional pra quem eu tiro o chapéu.



domingo, 12 de julho de 2015

A grande dama

Foto: Marcelo Migliaccio


Taí um inseto diferente. Não se mistura com os outros, está sempre sozinha, geralmente num lugar bonito, a bater seus dois pares de asas sobre um lago ou riacho.

Não é repugnante como as moscas e as baratas.

Não machuca como as abelhas e os marimbondos.

Não enche o saco como os pernilongos.

Nem transmite doenças como o mosquito da dengue ou aquele outro da malária, ou ainda o da doença de chagas. Como tem mau elemento nessa área...

A borboleta é só um rostinho bonito, quer dizer, uma asinha bonita.  E, mesmo assim, só depois da segunda plástica...

A cigarra, deus me livre, quem gosta de mulher histérica?

Não vou nem falar da pulga que é sacanagem. É chutar cachorro morto.

Libélula é a grande dama, esguia, elegante, na dela, incapaz de nos importunar. Talvez por isso, por pura inveja, não seja badalada, não esteja nas manchetes. Dizem que Deus não deu asa a cobra, mas Ele também não deu mídia à libélula. Seria até covardia.

Por isso ela está por aí desde o Paleozóico sem o devido reconhecimento. Na época da ditadura, chegou a ser investigada por uma deduzível ligação com a organização de esquerda Libelu (Liberdade e Luta), mas logo viram que ela não tinha nada a ver. Sábia, a libélula nunca se manifestou publicamente sobre política.

Veja as formigas, por exemplo: estão por toda parte, são figurinhas fáceis, arroz de festa maior não há. Para onde se olha, tem uma formiga. A libélula nunca foi marqueteira assim, nunca quis essa fama  fácil. Nem tem assessor de imprensa...

A libélula é inacessível. Tem 30 mil olhos e, ao menor sinal de assédio, é capaz de fugir a 85 km/h. É ruim de conseguir um selfie com ela.

Quando eu era pequeno e vi uma libélula pela primeira vez, minha mãe apontou e disse:

_ Olha ali um helicóptero miniatura!

E eu fiquei encantado com aquilo. Imagine só: um mini helicóptero voando sobre um mini oceano. A libélula ainda tem mais essa qualidade: é capaz de encantar as crianças.

Por isso este líbelo à libélula!

Foto: Marcelo Migliaccio

quarta-feira, 8 de julho de 2015

"Chesus te ama!"

Foto: Marcelo Migliaccio


Como faço sempre que a vejo, estava fotografando a coruja buraqueira que mora atrás do monumento aos pracinhas, no Aterro do Flamengo. Dessa vez, porém, ela estava acompanhada, e eu também. Quando percebi, um rapaz de bicicleta observava encantado as evoluções das duas corujas em volta do seu ninho.

_ Passarinho esquisito _ disse o da bicicleta. Ela fica em cima de uma perna só...

_ É uma coruja _  respondi, estranhando o fato de ele nunca ter visto um animal daqueles. E tem outra ali, apontei para a que estava mais distante do buraco-ninho.

O rapaz, que para mim era rapaz por ser bem mais novo, tinha o corte de cabelo militar e uma fala meio tatibitate.

_ "Teus" é lindo, "Teus" é maravilhoso! _ exclamava ele.

Eu fotografava meio que não dando bola para me proteger de um potencial chato de galocha, tipo muito comum hoje em dia. Mas, quando olhei para ele, vi que seus olhos de menino (para mim era um menino) brilhavam de verdade.

_ "Teus" criou os bichos, os pássaros, o mar. "Teus" gosta de água, porque a maioria da Terra é de água.

_ É mesmo... _ concordei.

_ As cores! Quantas cores! Eu não via nada disso antes de aceitar "Chesus".

_ E há quanto tempo foi isso? _ eu quis saber.

_ Em 2013.

Telespectador assíduo de programas evangélicos na TV, concluí que o que o teria levado à igreja poderia ser interessante. Por isso, fiz a pergunta que os pastores sempre fazem:

_ E como era antes?

_ Eu era do tráfico _ ele me disse, olhando no fundo dos meus olhos.

_ É, onde?

Depois de me dizer o nome do morro, frisando que lá se vende o melhor pó do Rio, "sem misturar fermento Royal", ele começou a contar sua história. Tinha 31 anos.

_ Entrei no tráfico com 14 anos. Primeiro como "puxa" (que eu não sei o que é), depois fui aviãozinho, até chegar a gerente. Minha família me expulsou de casa quando descobriu, mas eles alugaram um kitinete pra mim. Guardava nove fuzis.


Foto: Marcelo Migliaccio
_ Chegou a trocar tiros com a polícia?

_ Muito.

_ Foi ferido?

_ Nunca. Uma vez estavam pra me matar, pensando que eu era X-9 (delator). É que quando a UPP entrou, foi na casa de todo mundo menos na minha. Aí, pensaram que eu era X-9 mas eu não era. Aí, um dia, fizeram uma emboscada pra mim, eu "se liguei" (na verdade, ele falou "eu se liquei"). Devia ter alguém de longe com um telefone pra ligar caso eu fosse, aí um da quadrilha chegou perto de mim e bateu no meu ombro, pra dar o sinal, se o telefone celular no bolso dele tocasse, eles iam me matar. Só que o telefone não tocou, porque eu não era. Como um X-9 pode guardar nove fuzis em casa, sem nunca ter perdido nenhum?

_ Foi preso?

_ Fui preso um ano e oito meses depois de aceitar Jesus e sair do tráfico. Tive uma briga com a minha mulher e, como não tinha bandido no morro fomos na UPP. Os PMs levaram a gente pra delegacia e lá me disseram que tinha um mandado de prisão contra mim. Por causa de umas digitais. Quando eu era do tráfico, andava muito em carro roubado. Encontraram as minhas digitais num desses carros. Eu nem sabia que era procurado, porque nunca saía do morro.

_ Você nunca saía?

_ Nunca, estou começando a conhecer essas ruas aqui de baixo agora. Só ficava no morro.

_ E quanto tempo você ficou preso?

_ Doze dias, até "Chesus" me tirar?

_ Como você saiu?

"Chesus" me tirou _ insistiu ele com aquele brilho nos olhos.

_ Mas como... o juiz...

_ Eu passei os 12 dias orando e "Chesus" me tirou. Fui na audiência e pronto, não tinha mais nada.

Repórter que sou, esqueci as corujas e só pensava nas perguntas que vinham à minha cabeça.

_ Você tem filhos?
Foto: Marcelo Migliaccio

_ Dois.

_ É casado?

_ Separado.

_ E na hora de sair do tráfico, como foi?

_ Foi tranquilo, cheguei pro cara e falei que tinha aceitado Jesus e queria sair. Só isso.

E quanto você ganhava no tráfico?

Nesse momento sua sensibilidade achou que era hora de levá-lo pra longe de mim e ele começou a pedalar a bicicleta.

_ Deixa isso pra lá. "Chesus" te ama!

_ Mas...

"Chesus" te ama! "Chesus" te ama!

Acenei.


terça-feira, 7 de julho de 2015

De volta à maravilhosa Baixada Fluminense

Olhos atentos, bem abertos...

Foto: Marcelo Migliaccio

Olhos tristes...


Foto: Marcelo Migliaccio


Olhos raros...


Foto: Marcelo Migliaccio

Um balão me leva de volta à Baixada Fluminense


Foto: Marcelo Migliaccio



No céu, tenho companhia.


Foto: Marcelo Migliaccio

Mas me interessam outros astros. Pequenos universos bem perto do chão.


Foto: Marcelo Migliaccio


Num piscar de olhos, estamos no telhado.


v


E dali curtimos a tranquilidade de um recanto perdido na estigmatizada Baixada Fluminense.


Foto: Marcelo Migliaccio

Lugar que, segundo os jornais, está repleto de marginais


Foto: Marcelo Migliaccio



Lugar onde até periquito tem cor de urubu (e nem por isso deixa de ser belo). Na verdade, ele se chama Anu Preto.


Foto: Marcelo Migliaccio

Gente adoravelmente muito mal encarada...


Foto: Marcelo Migliaccio


Num lugar de pequenas jóias escondidas na paisagem.


Foto: Marcelo Migliaccio


Paisagem que nos encarregamos de manchar.


Foto: Marcelo Migliaccio


Até uma rolinha à procura de um certo pastor para e descansa...


Foto: Marcelo Migliaccio



Aqui quem canta de galo é o próprio, desde novinho.


Foto: Marcelo Migliaccio


Quando a natureza abre as asas sobre nós.


Foto: Marcelo Migliaccio

E uma floresta nasce a um centímetro do chão.


Foto: Marcelo Migliaccio

Daqui, contemplamos planetas...


Foto: Marcelo Migliaccio

E estrelas...


Foto: Marcelo Migliaccio

Cada estrela, centro de seu universo.


Foto: Marcelo Migliaccio




LEIA TAMBÉM:
A maravilhosa Baixada Fluminense



segunda-feira, 6 de julho de 2015

Euforia tucana

Tucanos já comemoram abertamente o golpe. Derrotados quatro vezes nas urnas, planejam assumir quando o TCU, que aprovou as contas dos maiores ladrões da História, rejeitar as da Dilma. Aí, o Congresso do Imperador Cunha-Vota-Até-Ganhar aglutina seus 300 picaretas e aprova o Golpeachment. 

As sete famílias que decidem há décadas o que milhões de brasileiros vão ver, ler e ouvir, intensificam as marteladas anti-petistas na mídia. O ódio ao PT deriva para o fascismo, com direito a ameaças de morte, delações seletivas, xingamentos, adesivos pornográficos e toda a sorte de golpes baixos. Golpe é com eles mesmos. 

E nós ficamos aqui, assistindo ao nosso voto ser cassado por essa gente que durante 502 anos só fez assaltar o Brasil e agora posa de moralista e honesta. Pedalada fiscal... arruma outra que essa tá difícil de engolir.

sábado, 4 de julho de 2015

A serpente fascista

O retardado sem educação que xingou Dilma nos Estados Unidos se acha um herói, um revolucionário que disse aquilo que, segundo ele, está "engasgado na garganta do brasileiro". Na Copa, milhares iguais a ele ofenderam a presidente no estádio para o mundo inteiro ver e lamentar. Outros da mesma estirpe fizeram o adesivo pornográfico para carros que envergonha uma Nação. 

Essa gente, no entanto, serve pra nos mostrar o que a lavagem cerebral antipetista na mídia, iniciada tão logo o partido surgiu e não apenas quando chegou ao poder, produziu em cérebros de ameba. Fazem o que Aécio, Caiado e Cunha fariam se pudessem. São intolerantes e antidemocratas que acreditam estarem cobertos de razão até para repudiar uma apresentadora de TV negra. 

Quando um deles fizer uma merda de verdade talvez alguém se anime a investigar quando e como a serpente colocou esse ovo fascista que agora eclode no Brasil.

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Há males que vêm para o mal

Acredite se quiser: foi até bom que o Imperador Cunha tenha conseguido aprovar a redução da maioridade penal. Agora, todos verão que não vai adiantar nada. As cadeias ficarão mais cheias, as quadrilhas usarão gente ainda mais nova, as instituições para menores continuarão negligenciadas pelos governos, å educação pública seguirá uma vergonha, os pais lavarão novamente suas mãos e a nossa usina de violência continuará a todo vapor, despejando porcaria na cabeça das crianças desde cedo.

E não adianta culpar o Imperador nem seus súditos na Câmara. O Congresso é assim porque o brasileiro é assim. Eles fizeram a vontade da maioria que os elegeu e que pede a inócua redução da maioridade segundo todas as pesquisas de opinião.

quarta-feira, 1 de julho de 2015

E agora, José?

A decisão tomada ontem na Câmara, apesar de apertada, foi a parte mais fácil. Agora vem a mais difícil: identificar por que crianças e adolescentes estão praticando crimes cada vez mais cruéis. É hora de combater a cultura da violência na mídia, a impunidade na Justiça e também de tornar digna a educação no Brasil.

Não dá pra continuar passando MMA, UFC e esses filmes sanguinários pra criança ver na TV. Nosso Judiciário tem que deixar de ser 3P (só prende se for preto, pobre ou petista) e é preciso investir ainda mais nos professores e nas escolas.

Senão, daqui a mais dois ou três crimes hediondos, a pressão para baixar a maioridade penal voltará ainda mais forte.