Translate

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Grandes encontros da História XI

3 comentários:

  1. Assistindo esses vídeos, tenho boas lembranças de minha saudável infância.

    Valeu Marcelo.

    Cury

    ResponderExcluir
  2. Herois em preto e branco, com chuvisco na tela (tubo), tendo que mudar a posicao da antena,com desenhos fixos (quase nao se movimentavam, lembra?) enfim, tempo que passou e marcou.

    ResponderExcluir
  3. Os (super) heróis são sempre retratados como os bonzinhos que seguem um ideal de paz e justiça – seus rivais? Vilões sem coração que exalam maldade até pelo suor, aproveitando cada momento que aparecem (na tela) para mostrar o quão cruéis podem ser.

    Ambos arquétipos rasos e sem carisma, já que é impossível se identificar com personagens tão extremos. Somos humanos antes de tudo, e nem mesmo personalidades icônicas como Hitler e Gandhi, conseguiriam se espelhar no que nos é mostrado na telona. Afinal, o “mocinho” não pode ter um momento de egoísmo? Ou o vilão não pode mostrar misericórdia?

    Talvez por ser mulher, jamais tive identificação com estes tipos de super heróis americanos do norte, e nem os reconheço, embora respeite e admita os aficcionados.


    Buscando sanar essa necessidade mais realisticamente humanizada, surge a figura do anti-herói, que pode ser tanto aquele herói sem características do rótulo, sejam físicas e/ou morais, ou o vilão que causa empatia , podendo até mesmo praticar atos que não sejam vis.

    Sugiro,então, um grande encontro dos meus anti-heróis clássicos preferidos: Macunaíma e Dom Quixote.

    Macunaíma, é o herói sem nenhum caráter, que, numa visão otimista significaria 'matreiro', 'manhoso' e 'aproveitador'. Por outro lado, tais estereótipos - incluindo os de visão pessimista_ teriam alguma base na realidade ou não passariam de generalizações superficiais, levianas e sem qualquer fundamento histórico, principalmente se se levar em conta a extrema heterogeneidade social e cultural da população brasileira?

    Dom Quixote: Motivado pela loucura pensava ser um cavaleiro. Demonstrava arrogância e procurava sempre confusões com pessoas do povo para ilustrar suas aventuras e saciar sua sandice.
    Foi só uma sugestão e nada mais.
    Verônica

    ResponderExcluir